Mensagem do Bastonário
A Ordem dos Farmacêuticos
Inscrição
A Profissão Farmacêutica
Carteira Profissional
Centro de Informação do Medicamento
Centro de Documentação Farmacêutica
Observatório da Empregabilidade
Qualidade
Revista da Ordem dos Farmacêuticos
Newsletter da Ordem dos Farmacêuticos
Actualidade
Merchandising
Ligações Externas
Geração Saudável
Documentos em Consulta Pública
Farmacêuticos Registados na Ordem dos Farmacêuticos
Eleições 2016-2018
Protocolos e Benefícios
ÁREA PRIVADA | SITE INSTITUCIONAL | FORMAÇÃO CREDITADA
PARA ACEDER À SUA ÁREA RESERVADA, POR FAVOR INSIRA OS SEUS DADOS DE ACESSO
C.PROF.  PASS. 
Active a sua
password de acesso.
 
Obtenha/Recupere a
password de acesso
Ana Paula Martins foi eleita Bastonária da Ordem dos Farmacêuticos (OF) para o triénio 2016-2018. A professora da Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa liderou a única lista que se apresentou a sufrágio aos Órgãos Nacionais da OF, tendo sido eleita com 1.846 votos, entre votos presenciais e votos por correspondência. O processo eleitoral para os novos órgãos sociais da OF – Bastonário e demais Órgãos Nacionais e também dos Órgãos Regionais, Delegações Regionais e Conselhos dos Colégios de Especialidade – ficou concluído com a votação presencial realizada no dia 6 de Fevereiro.
Estudo "Valor social e económico das intervenções em Saúde Pública dos farmacêuticos nas farmácias em Portugal"
Recomendações da OF para o Uso Responsável do Medicamento
Direcção Nacional aprovou Modelo de Competências Farmacêuticas
FORMAÇÃO CREDITADA
Clique aqui para consultar a lista completa de acções de formação creditadas pela OF.
0,49
Ordem dos Farmacêuticos - Secção Regional do Norte
Genética Cardiovascular: da Clínica ao Laboratório
5
Universidade Católica Portuguesa
PAGEF - Programa Avançado de Gestão para Farmacêuticos
0,35
SerFarma, Lda.
Medicamentos de Venda Livre: Casos Práticos de Aconselhamento na Farmácia
0,3
Health In Loc
Curso de Indicação farmacêutica na contraceção hormonal de emergência
0,3
SANINTER GRUPO - SGPS, S.A.
Curso Geral Nutreov
0,265
Fundação Fernando Pessoa
Farmacêuticos: Que Futuro?
Mensagem do Bastonário


Foi recentemente publicado o relatório do estudo "Valor social e económico das intervenções em Saúde Pública dos farmacêuticos nas farmácias em Portugal", que a Ordem dos Farmacêuticos encomendou a consultores externos.
[...]

Os resultados do estudo foram apresentados em primeira mão no Congresso Nacional dos Farmacêuticos 2015, em Outubro passado. E, entretanto, a Ordem tem vindo a divulgar o relatório junto dos decisores políticos, em particular a Assembleia da República e o Governo.

Trata-se de um estudo pioneiro em Portugal. Evidencia, de forma cabal, o valor do exercício profissional dos farmacêuticos comunitários para a sociedade e a economia. Por isso mesmo, reveste-se da maior importância para a profissão e para o Sistema de Saúde.

O estudo incidiu sobre as diferentes intervenções dos farmacêuticos em Saúde Pública, excluindo porém a dispensa de medicamentos, a qual, presentemente, representa mais de 90% da actividade das farmácias. Ainda assim, o estudo demonstra, de forma clara, que as cerca de 120 milhões de intervenções anuais em Saúde Pública (cerca, pois, de apenas 10% da actividade total) dos farmacêuticos comunitários aportam relevante valor. [...] Aportam qualidade de vida à população portuguesa e aportam anos de vida com qualidade. Proporcionam uma redução do consumo de cuidados de saúde de outras fontes estimada em 6 milhões de actos por ano, incluindo consultas médicas não programadas, urgências e hospitalizações. E apresentam um valor económico estimado em 880 milhões de euros anuais, integralmente a favor do Estado e das famílias. Adicionalmente, o estudo demonstra a existência de um potencial de crescimento do valor social e económico estimado, caso, no futuro, outras intervenções venham a ser uma realidade em Portugal, designadamente em resultado de uma maior integração com os cuidados primários de saúde e também com os cuidados secundários.

Em suma, o estudo demonstra que em Portugal, como em muitos outros países, sejam da União Europeia, sejam o Canadá, os Estados Unidos e a Austrália, os farmacêuticos comunitários promovem ganhos em saúde, quer sociais, quer económicos.

A prestação de serviços farmacêuticos no âmbito de programas de Saúde Pública, de forma estruturada e reconhecida pelo Estado como um contributo relevante, deve pois constituir o ponto de partida para uma cada vez mais efectiva participação dos farmacêuticos comunitários no sistema de saúde.
[...]

Mais efectiva participação, desde logo nos cuidados primários, seja na identificação precoce de indivíduos com factores de risco, seja no acompanhamento dos doentes crónicos, num quadro de gestão integrada da doença com particular enfoque na gestão da terapêutica, tendo em vista assegurar que estes doentes se mantêm equilibrados, já que, quando descompensados, aumenta muito o risco de ocorrerem eventos agudos, de um modo geral graves e dispendiosos.

Além disso, nos casos de patologias crónicas previamente diagnosticadas e com terapêutica instituída, entendo que faz todo o sentido conferir capacidade ao farmacêutico comunitário para intervir quer na monitorização de indicadores da doença quer na renovação da terapêutica, com base em protocolos de actuação. Após a prescrição médica, o farmacêutico é o elemento de continuidade no processo farmacoterapêutico, apoiando o doente em todas as vertentes relacionadas com o uso dos medicamentos. Em áreas como a diabetes e a hipertensão arterial, entre outras, a renovação da terapêutica, por si só, constitui uma sobrecarga de procura nas unidades do SNS e provoca-lhes perdas de eficiência.

Por conseguinte, o estudo vem confirmar estas essenciais ideias da Ordem: o País deve apostar e investir no reforço das competências legais dos farmacêuticos e no alargamento da sua intervenção no sistema de saúde, em benefício dos cidadãos. Essa aposta acarretará ganhos importantes em saúde (clínicos, humanos e económicos), mais bem-estar e mais eficiência sistémica.

Faz pois todo o sentido que o Serviço Nacional de Saúde (SNS) passe a remunerar pelo justo valor, também em Portugal (a exemplo do que já sucede noutros países, como o Reino Unido, a França e a Bélgica, entre outros) as intervenções em Saúde Pública dos farmacêuticos nas farmácias. Os ganhos decorrentes - quer sociais, quer de eficiência, quer de poupança - aconselham tal opção pública.

Temos podido observar, com apreço, uma crescente confluência de posições dos decisores políticos em direcção a estas ideias. Confluência, pelo menos, em tese. Faltará ser politicamente consequente e passar à prática.
[...]

As farmácias são verdadeiras unidades prestadoras de cuidados de saúde, dotadas de profissionais altamente qualificados, que, a exemplo de outros países, podem e devem dar mais e melhores contributos ao sistema de saúde. A sua distribuição no território nacional proporciona uma cobertura assistencial da população que é ímpar entre todos os prestadores de cuidados de saúde, públicos e privados. E enquanto parceiros do SNS, podem dar contributos substantivos para promover ganhos em saúde e para alcançar as metas definidas pelas políticas públicas, incluindo as de natureza económica.

Os farmacêuticos portugueses saberão, uma vez mais, estar à altura das suas responsabilidades e dos desafios nacionais. E, na iminência de deixar funções, julgo poder dizer que a Ordem dos Farmacêuticos continuará a defender este caminho reformista do sistema de saúde, assente na plena integração das farmácias comunitárias na rede de cuidados de saúde primários, sempre com a devida salvaguarda dos deveres deontológicos dos farmacêuticos.

Lisboa, 27 de Janeiro de 2016

O Bastonário da Ordem dos Farmacêuticos
Prof. Doutor Carlos MaurÍcio Barbosa


Ver texto completo
clique na lupa para pesquisar
ROF n.º117 Out/Dez 2015
« Fevereiro »
Se Te Qu Qu Se Do
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29            
 
Registo no Portal
Como Funciona?
Vantagens
Área Privada