Mensagem do Bastonário
A Ordem dos Farmacêuticos
Inscrição
A Profissão Farmacêutica
Carteira Profissional
Centro de Informação do Medicamento
Centro de Documentação Farmacêutica
Observatório da Empregabilidade
Qualidade
Revista da Ordem dos Farmacêuticos
Newsletter da Ordem dos Farmacêuticos
Actualidade
Protocolos e Benefícios Sociais
Merchandising
Ligações Externas
Geração Saudável
Documentos em Consulta Pública
Farmacêuticos Registados na Ordem dos Farmacêuticos
ÁREA PRIVADA | SITE INSTITUCIONAL | FORMAÇÃO CREDITADA
PARA ACEDER À SUA ÁREA RESERVADA, POR FAVOR INSIRA OS SEUS DADOS DE ACESSO
C.PROF.  PASS. 
Active a sua
password de acesso.
 
Obtenha/Recupere a
password de acesso
Bastonário defende sistema de preços de referência baseado no PVP
Farmacêuticos hospitalares reunidos em Jornadas
Bastonário defende dispensa de MNSRM nas farmácias
Bolsa de Oportunidades da Ordem dos Farmacêuticos
FORMAÇÃO CREDITADA
Clique aqui para consultar a lista completa de acções de formação creditadas pela OF.
0,3
Ordem dos Farmacêuticos - Secção Regional de Lisboa
Perturbações Psicóticas – O caso da Esquizofrenia e Fármacos antipsicóticos
0,3
Ordem dos Farmacêuticos - Secção Regional de Lisboa
Perturbações do Humor, Perturbações de Ansiedade e Benzodiazepinas
3
Ordem dos Farmacêuticos - Secção Regional do Porto
Curso de Formação Avançada ´´Hepatite Vírica´´
0,3
Cooprofar - Cooperativa dos Proprietários de Farmácia, CRL
A Nova Energia das Farmácias Comunitárias – Gestão de Vendas - Como Conseguir Clientes mais Rentáveis? - Os Clientes percebem a diferença entre a minha Farmácia e dos Concorrentes? Se não o que fazer?
0,15
Ordem dos Farmacêuticos - Secção Regional de Coimbra
HEPATITE C: DIAGNÓSTICO LABORATORIAL E TERAPÊUTICA
1,125
FORMIVENTOS, LDA.
Oportunidade única para obter as ferramentas imprescindíveis para autorização, fabrico e comercialização de produtos COSMÉTICOS
Mensagem do Bastonário


Uso do Medicamento - Somos Todos Responsáveis

Reconhecidamente, os medicamentos constituem uma das mais importantes tecnologias de que a humanidade hoje usufrui, contribuindo de modo decisivo para a saúde e a qualidade de vida das pessoas.

Se é verdade que são uma parcela muito importante da despesa em saúde - sendo frequentemente apontados como a segunda rubrica que absorve mais recursos, logo a seguir aos gastos com pessoal -, também é verdade que têm trazido à sociedade os maiores ganhos em saúde no último século. Por isso mesmo, como tenho reiteradamente afirmado, importa, numa visão abrangente e estratégica, encarar esta despesa como um investimento, precisamente na saúde das populações e na melhoria da sua qualidade de vida.

Contudo, vários estudos demonstram a existência de um potencial não aproveitado na despesa com medicamentos. A OMS estima que 50% dos medicamentos não são correctamente usados pelos doentes. E um estudo efectuado em 2012 pela multinacional americana IMS Health, a pedido do Ministério da Saúde holandês, estima que a optimização do uso do medicamento permitiria poupar anualmente, em todo o mundo, cerca de 370 mil milhões de euros (mais do dobro do PIB de Portugal), o que corresponde a aproximadamente 8% da despesa anual em saúde a nível mundial.

O referido estudo da IMS destaca a não adesão à terapêutica como a principal causa do problema, estimando-se que contribua para 57% da despesa excedentária.[...] Entre as outras causas, salientam-se a utilização de medicamentos fora do tempo certo, devido à sua aprovação ou prescrição tardias, a utilização errada e a sobre-utilização de antibióticos, os erros de medicação, a utilização insuficiente de medicamentos genéricos e a gestão incorrecta da terapêutica dos doentes polimedicados. Todas estas situações geram gastos evitáveis, muitas vezes associados a internamentos hospitalares ou a outros cuidados de saúde e até a quadros fatais - em suma, associados a morbilidade e mortalidade.

As recomendações do mencionado estudo apontam no sentido de os sistemas de saúde adoptarem como prioridade a promoção do Uso Responsável do Medicamento (URM). Este é um conceito bem caracterizado pela Federação Internacional Farmacêutica. O medicamento deve ser utilizado apenas quando é necessário; e quando é necessário não deve deixar de ser utilizado; a sua selecção deve ser apropriada e baseada na mais recente evidência científica e/ou clínica, considerando também as preferências do doente e fazendo o melhor uso dos recursos disponíveis.[...]

Em suma, o que o URM procura garantir é o acesso do cidadão ao medicamento correcto, na dose e no tempo adequados à sua necessidade individual, e com o menor custo possível, quer para o próprio, quer para o sistema de saúde - proporcionando, por conseguinte, o maior benefício do tratamento. Trata-se de um conceito abrangente, comum a todos os intervenientes nas diferentes fases do ciclo de vida do medicamento, desde a investigação e desenvolvimento até à sua utilização pelo doente, passando pela aprovação e colocação no mercado, fabrico, distribuição, prescrição e dispensa, pelo que pressupõe o envolvimento activo, consciente e "responsável" de todos.

É neste contexto que a Ordem dos Farmacêuticos decidiu lançar publicamente a campanha subordinada ao tema "Uso do Medicamento - Somos Todos Responsáveis", por altura das Comemorações do Dia do Farmacêutico em 2014. Reputamos esta iniciativa da mais elevada importância. O URM promove ganhos significativos, quer no plano clínico, quer no plano económico, pelo que deve constituir também um grande objectivo para o sistema de saúde português, em que o marcado envelhecimento da população torna o assunto ainda mais relevante. Segundo dados do INE, o número de cidadãos com mais de 65 anos residentes em Portugal já é superior a 2 milhões, correspondendo a cerca de 19% da população.

Há, pois, um longo caminho que, todos juntos, devemos percorrer. A campanha lançada pela OF, visando alertar a população, promover boas práticas e debater o assunto com os outros stakeholders, constitui um primeiro passo. Mas julgo que somente um esforço integrado permitirá alcançar verdadeiros ganhos, que sejam premeditados, sistémicos e irreversíveis. O valor do trabalho em conjunto está bem realçado na proposição "todos temos um papel a desempenhar" que consta do relatório "Um Futuro para a Saúde", recentemente promovido pela Fundação Calouste Gulbenkian e dedicado ao sistema de saúde português. A Ordem dos Farmacêuticos e os farmacêuticos, nas suas diferentes áreas profissionais, saberão participar neste desígnio e estar, uma vez mais, como sempre, à altura das suas responsabilidades.


Lisboa, 23 de Janeiro de 2015

O Bastonário da Ordem dos Farmacêuticos
Prof. Doutor Carlos MaurÍcio Barbosa


Ver texto completo
clique na lupa para pesquisar
ROF n.º112 JUL/SET 2014
« Março »
Se Te Qu Qu Se Do
            1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 31          
8as Jornadas de Farmácia Hospitalar
 
Registo no Portal
Como Funciona?
Vantagens
Área Privada