Mensagem do Bastonário
A Ordem dos Farmacêuticos
Inscrição
A Profissão Farmacêutica
Carteira Profissional
Centro de Informação do Medicamento
Centro de Documentação Farmacêutica
Observatório da Empregabilidade
Qualidade
Revista da Ordem dos Farmacêuticos
Newsletter da Ordem dos Farmacêuticos
Actualidade
Protocolos e Benefícios Sociais
Merchandising
Ligações Externas
Geração Saudável
Documentos em Consulta Pública
Farmacêuticos Registados na Ordem dos Farmacêuticos
ÁREA PRIVADA | SITE INSTITUCIONAL | FORMAÇÃO CREDITADA
PARA ACEDER À SUA ÁREA RESERVADA, POR FAVOR INSIRA OS SEUS DADOS DE ACESSO
C.PROF.  PASS. 
Active a sua
password de acesso.
 
Obtenha/Recupere a
password de acesso
Bastonário reuniu-se com a ministra da Agricultura e do Mar
Bastonário manifestou-se contra a publicidade “enganosa” a “produtos milagrosos”
Bolsa de Oportunidades da Ordem dos Farmacêuticos
Candidaturas a prémio para projecto colaborativo interdisciplinar de profissionais de saúde até 22 de Fevereiro
FORMAÇÃO CREDITADA
Clique aqui para consultar a lista completa de acções de formação creditadas pela OF.
3
Ordem dos Farmacêuticos - Secção Regional do Porto
Curso de Formação Avançada ´´Hepatite Vírica´´
0,7
BataBranca.com (formação em e-learning e presencial)
Estratégias de coaching para o sucesso: Introdução ao coaching
0,4
Ordem dos Farmacêuticos - Secção Regional de Coimbra
Amamentação e Medicamentos: Qual a melhor decisão?
0,15
Cooprofar - Cooperativa dos Proprietários de Farmácia, CRL
Parasitas Externos dos Animais de Companhia
1,2
EDUdigital, Educação e Tecnologias
Liderança de Equipas
0,375
LisbonPH - Empresa Júnior da FFUL
Conferência “Selenium and Selenoproteins in health and disease”
Mensagem do Bastonário


Uso do Medicamento - Somos Todos Responsáveis

Reconhecidamente, os medicamentos constituem uma das mais importantes tecnologias de que a humanidade hoje usufrui, contribuindo de modo decisivo para a saúde e a qualidade de vida das pessoas.

Se é verdade que são uma parcela muito importante da despesa em saúde - sendo frequentemente apontados como a segunda rubrica que absorve mais recursos, logo a seguir aos gastos com pessoal -, também é verdade que têm trazido à sociedade os maiores ganhos em saúde no último século. Por isso mesmo, como tenho reiteradamente afirmado, importa, numa visão abrangente e estratégica, encarar esta despesa como um investimento, precisamente na saúde das populações e na melhoria da sua qualidade de vida.

Contudo, vários estudos demonstram a existência de um potencial não aproveitado na despesa com medicamentos. A OMS estima que 50% dos medicamentos não são correctamente usados pelos doentes. E um estudo efectuado em 2012 pela multinacional americana IMS Health, a pedido do Ministério da Saúde holandês, estima que a optimização do uso do medicamento permitiria poupar anualmente, em todo o mundo, cerca de 370 mil milhões de euros (mais do dobro do PIB de Portugal), o que corresponde a aproximadamente 8% da despesa anual em saúde a nível mundial.

O referido estudo da IMS destaca a não adesão à terapêutica como a principal causa do problema, estimando-se que contribua para 57% da despesa excedentária.[...] Entre as outras causas, salientam-se a utilização de medicamentos fora do tempo certo, devido à sua aprovação ou prescrição tardias, a utilização errada e a sobre-utilização de antibióticos, os erros de medicação, a utilização insuficiente de medicamentos genéricos e a gestão incorrecta da terapêutica dos doentes polimedicados. Todas estas situações geram gastos evitáveis, muitas vezes associados a internamentos hospitalares ou a outros cuidados de saúde e até a quadros fatais - em suma, associados a morbilidade e mortalidade.

As recomendações do mencionado estudo apontam no sentido de os sistemas de saúde adoptarem como prioridade a promoção do Uso Responsável do Medicamento (URM). Este é um conceito bem caracterizado pela Federação Internacional Farmacêutica. O medicamento deve ser utilizado apenas quando é necessário; e quando é necessário não deve deixar de ser utilizado; a sua selecção deve ser apropriada e baseada na mais recente evidência científica e/ou clínica, considerando também as preferências do doente e fazendo o melhor uso dos recursos disponíveis.[...]

Em suma, o que o URM procura garantir é o acesso do cidadão ao medicamento correcto, na dose e no tempo adequados à sua necessidade individual, e com o menor custo possível, quer para o próprio, quer para o sistema de saúde - proporcionando, por conseguinte, o maior benefício do tratamento. Trata-se de um conceito abrangente, comum a todos os intervenientes nas diferentes fases do ciclo de vida do medicamento, desde a investigação e desenvolvimento até à sua utilização pelo doente, passando pela aprovação e colocação no mercado, fabrico, distribuição, prescrição e dispensa, pelo que pressupõe o envolvimento activo, consciente e "responsável" de todos.

É neste contexto que a Ordem dos Farmacêuticos decidiu lançar publicamente a campanha subordinada ao tema "Uso do Medicamento - Somos Todos Responsáveis", por altura das Comemorações do Dia do Farmacêutico em 2014. Reputamos esta iniciativa da mais elevada importância. O URM promove ganhos significativos, quer no plano clínico, quer no plano económico, pelo que deve constituir também um grande objectivo para o sistema de saúde português, em que o marcado envelhecimento da população torna o assunto ainda mais relevante. Segundo dados do INE, o número de cidadãos com mais de 65 anos residentes em Portugal já é superior a 2 milhões, correspondendo a cerca de 19% da população.

Há, pois, um longo caminho que, todos juntos, devemos percorrer. A campanha lançada pela OF, visando alertar a população, promover boas práticas e debater o assunto com os outros stakeholders, constitui um primeiro passo. Mas julgo que somente um esforço integrado permitirá alcançar verdadeiros ganhos, que sejam premeditados, sistémicos e irreversíveis. O valor do trabalho em conjunto está bem realçado na proposição "todos temos um papel a desempenhar" que consta do relatório "Um Futuro para a Saúde", recentemente promovido pela Fundação Calouste Gulbenkian e dedicado ao sistema de saúde português. A Ordem dos Farmacêuticos e os farmacêuticos, nas suas diferentes áreas profissionais, saberão participar neste desígnio e estar, uma vez mais, como sempre, à altura das suas responsabilidades.


Lisboa, 23 de Janeiro de 2015

O Bastonário da Ordem dos Farmacêuticos
Prof. Doutor Carlos MaurÍcio Barbosa


Ver texto completo
clique na lupa para pesquisar
ROF n.º112 JUL/SET 2014
« Fevereiro »
Se Te Qu Qu Se Do
            1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28  
8as Jornadas de Farmácia Hospitalar
 
Registo no Portal
Como Funciona?
Vantagens
Área Privada