{ordemfarma/noticias/detalhes/head}
Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso.

Compreendi

Notícias

Custos de medicamentos para a diabetes triplicaram em dez anos

16 Março 2017
Custos de medicamentos para a diabetes triplicaram em dez anos
Segundo o relatório do Observatório Nacional da Diabetes, apresentado a 15 de março, os custos com medicamentos para a diabetes mais do que triplicaram em dez anos. O documento aponta para um aumento dos custos de 269% num período de dez anos, justificado pelo crescimento da prevalência da doença, do número e da proporção de pessoas tratadas, bem como as dosagens médias utilizadas nos tratamentos.
Segundo o relatório do Observatório Nacional da Diabetes, apresentado a 15 de março, os custos com medicamentos para a diabetes mais do que triplicaram em dez anos. O documento aponta para um aumento dos custos de 269% num período de dez anos, justificado pelo crescimento da prevalência da doença, do número e da proporção de pessoas tratadas, bem como as dosagens médias utilizadas nos tratamentos
    
"O crescimento dos custos dos medicamentos da diabetes tem assumido uma especial preponderância e relevância (mais 269%) face ao crescimento efetivo do consumo, quantificado em número de embalagens vendidas (mais 66%)”, refere o relatório do Observatório Nacional da Diabetes.

Quanto ao mercado de genéricos de medicamentos para a diabetes, em 2015 "perderam relevância em termos do volume de vendas, medido em número de embalagens”, assumindo um papel residual na despesa com medicamentos. No entanto, as vendas de tiras-teste de glicemia (sangue), em número de embalagens, têm registado um crescimento muito significativo ao longo da última década: mais 70% entre 2006 e 2015.

O documento alerta ainda para um crescimento acentuado do número de novos casos diagnosticados em Portugal, em 2015, com 168 novos casos a serem identificados todos os dias.  Segundo o relatório do Observatório Nacional da Diabetes, esta doença matou 12 pessoas por dia em 2015, estando presente em mais de um quarto dos óbitos nos hospitais públicos em Portugal.

Para mais informações, consulte o relatório aqui.