Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso.

Compreendi

Artigos

X Jornadas de Farmácia Hospitalar

02 Março 2018


Foi ao som de uma versão adaptada de Yellow Submarine, dos Beatles, que os farmacêuticos hospitalares portugueses afirmaram o seu compromisso com a saúde, com a qualidade dos cuidados prestados aos doentes e com a segurança na utilização dos medicamentos nos hospitais, num dos momentos de convívio proporcionados pelas X Jornadas de Farmácia Hospitalar, que decorreram nos dias 23 e 24 de fevereiro, em Lisboa. O evento esteve centrado na apresentação de projetos e trabalhos desenvolvidos em Serviços Farmacêuticos hospitalares, em especial nas áreas da gestão, produção, infeciologia, oncologia e dispositivos médicos.

Cerca de 150 farmacêuticos hospitalares portugueses estiveram uma vez mais reunidos no Hotel Olissippo Oriente, em Lisboa, para participar na décima edição das Jornadas de Farmácia Hospitalar, organizadas pelo Conselho do Colégio de Especialidade de Farmácia Hospitalar da Ordem dos Farmacêuticos (CCEFH-OF).

Sob o tema "Novos caminhos para os desafios de hoje”, o evento juntou diretores e colaboradores farmacêuticos de unidades de saúde de diferentes pontos do país, públicas, privadas e do setor social, incluindo dos maiores centros hospitalares, numa demonstração de união de um grupo profissional que é responsável pela utilização de uma tecnologia de saúde que custa todos os anos mais de mil milhões de euros ao país.

António Melo Gouveia, presidente do CCEFH-OF, saudou o recente reconhecimento pelo Estado português da importância deste grupo profissional, através da criação da Carreira Farmacêutica no Serviço Nacional de Saúde (SNS), publicada em agosto do ano passado, mas já reivindicada pelos farmacêuticos hospitalares há quase 20 anos.

"Nunca a Carreira Farmacêutica foi tão longe”, afirmou, dando também nota do processo de regulamentação em curso, nomeadamente das normas para transição para nova carreira dos farmacêuticos com contratos individuais de trabalho, bem como dos farmacêuticos não especialistas, e muito particularmente para criação prevista do Internato Farmacêutico, que considera ser um "pilar fundamental para o futuro da Farmácia Hospitalar”.
 

O QUE FAZ O FARMACÊUTICO HOSPITALAR?
Vídeo produzido pelo Conselho do Colégio de Especialidade de Farmácia Hospitalar da Ordem dos Farmacêuticos por ocasião das X Jornadas de Farmácia Hospitalar. AQUI [Versão inglesa AQUI]


 "O cenário em que nos movemos é de instabilidade constante, em que a substituição de colegas por baixa médica, licença ou outros impedimentos revela a ineficiência de um sistema carregado de burocracia, evidente também nos processos de compra centralizada de medicamentos”, disse ainda o presidente do Colégio, na abertura do evento.


 
Estas foram as últimas Jornadas de Farmácia Hospitalar organizadas pelos atuais membros do CCEFH-OF, dado que foi também realçado por António Melo Gouveia, que anunciou o abandono do cargo no final do mandato. Lembrou a este propósito o trabalho desenvolvido ao longo de vários anos, na revisão da matriz dos exames de especialidade, na definição da matriz de competências e do programa de Internato Farmacêutico, na elaboração e publicação de vários manuais, entre os quais o Manual de Boas Práticas em Farmácia Hospitalar, cujo primeiro capítulo, dedicado aos Processos de Suporte, foi apresentado durante estas Jornadas.



DIFH - DIVULGAR INICIATIVAS EM FARMÁCIA HOSPITALAR?

Conheça o projeto desenvolvido pelo Conselho do Colégio de Especialidade de Farmácia Hospitalar da Ordem dos Farmacêuticos para dinamizar procedimentos, boas práticas e iniciativas de relevo para a prática diária dos farmacêuticos hospitalares. AQUI.

O presidente do Colégio destacou por fim o projeto DIFH - Divulgar Iniciativas em Farmácia Hospitalar, uma iniciativa do CCEFH-OF para promover as melhores práticas nas farmácias hospitalares portuguesas, que envolve a constituição Grupos de Interesse (GI) dedicados a áreas específicas, para debate e partilha de DIFH, de boas práticas profissionais e de procedimentos e normas de segurança, controlo e diminuição do risco em prática nas diferentes unidades de saúde.


BASTONÁRIA DESTACOU UNIÃO DA CLASSE


A bastonária da OF, presente na sessão de abertura, agradeceu o "intenso trabalho de suporte à Direção Nacional” desenvolvido pelo Conselho de Especialidade.
 
Ana Paula Martins considera que o país precisa de "uma Farmácia Hospitalar forte, com farmacêuticos hospitalares motivados para um exercício profissional de excelência, com sentido crítico e abnegadamente empenhados na defesa dos direitos dos doentes”.

A dirigente da OF recordou a ação política da instituição na área da Farmácia Hospitalar, destacando a consonância com a Tutela, que levou à criação da Carreira Farmacêutica no SNS. "Há um ano, estávamos aqui a reivindicar a criação de uma carreira especial para os farmacêuticos. Hoje temos um novo caminho pela frente”, afirmou.

"Foi o resultado da união de toda a classe em torno de uma carreira diferenciada no serviço de saúde público. Uma carreira que valoriza a importantíssima intervenção destes profissionais nos nossos hospitais e nos cuidados aos doentes. E que só foi possível alcançar porque toda a profissão, da Academia à Farmácia Comunitária, as Análises, a Indústria e a própria Farmácia Hospitalar, todos ergueram a voz para dizer que a Farmácia Hospitalar é uma parte fundamental da profissão, sem a qual deixaríamos de ser farmacêuticos”, vincou a dirigente da OF.

Ana Paula Martins referiu-se também ao financiamento das atividades desenvolvidas nos Serviços Farmacêuticos hospitalares. "O modelo atual não serve, pois mais não faz do que assegurar os custos fixos das farmácias hospitalares; não valoriza a qualidade e os resultados em saúde alcançados”, entende a bastonária. A OF tem atribuído particular relevo ao tema, tendo promovido a realização de um estudo, atualmente em curso, para determinar o valor associado às diferentes atividades desenvolvidas nas farmácias hospitalares.

No final da sua intervenção, a bastonária lançou um repto ao envolvimento dos farmacêuticos hospitalares no debate sobre a revisão da Lei de Bases da Saúde, uma discussão que a Direção Nacional vai também encetar no seio da classe, com a organização de algumas iniciativas para debater o rumo e futuro do SNS.


A sessão de abertura terminou com a visualização de um vídeo produzido pelo CCEFH-OF, que retrata o dia-a-dia dos farmacêuticos hospitalares, as suas diferentes funções e responsabilidades e o seu empenho com a saúde dos doentes. O trabalho serviu também de mote para o início dos diferentes painéis de debate.


SESSÕES DINAMIZADAS PELOS GRUPOS DE INTERESSE

A Infeciologia foi o tema central do primeiro painel, com a participação do presidente da associação alemã de farmacêuticos hospitalares (ADKA), Torsten Hoppe-Tichy, que apresentou a realidade do exercício profissional na Alemanha e os principais desafios que se colocam aos farmacêuticos hospitalares europeus.

Durante este painel, o GI de Infeciologia, apresentou uma checklist para apoio à validação da prescrição de antibióticos em Serviços Farmacêuticos de instituições hospitalares, num contributo para a uniformização de procedimentos e para o controlo das resistências antimicrobianas em ambiente hospitalar.

No painel seguinte, dedicado à Oncologia, a moderadora, Florbela Braga, do GI Oncologia, começou por apresentar o Prémio Inovar em Farmácia Hospitalar, criado este ano pela companhia farmacêutica Biojam. Seguiram-se apresentações de casos práticos de intervenções farmacêuticas nesta área terapêutica.

CHECKLIST PARA VALIDAÇÃO DE ANTIBIÓTICOS. AQUI.
 

PRÉMIO BIOJAM INOVAR EM FARMÁCIA. AQUI.




COLÉGIO HOMENAGEOU MARIA LUZ CLARA
O Conselho do Colégio de Especialidade de Farmácia Hospitalar da Ordem dos Farmacêuticos prestou homenagem à farmacêutica hospitalar Maria Luz Clara, ex-diretora dos Serviços Farmacêuticos do Hospital de Santa Maria. AQUI.

 
O painel seguinte foi iniciado com a apresentação do Novo Portal para notificação de Reações Adversas a Medicamentos (RAM), que esteve a cargo das responsáveis da Direção de Gestão de Risco de Medicamentos do Infarmed, tendo sido sublinhando o relevante contributo dos farmacêuticos hospitalares na notificação de RAM.

No domínio dos Dispositivos Médios, houve lugar a um debate sobre a sua classificação e utilização em farmácia hospitalar, com perspetivas da autoridade reguladora, da associação representativa das empresas produtoras e do respetivo GI.


O evento contou ainda com um debate sobre aquisição de medicamentos nos hospitais, moderado pela bastonária da OF e com a participação do presidente do CCEFH-OF, do presidente do IPO de Lisboa, Francisco Ramos, do conselho de administração dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, Artur Mimoso, e da Administração Central do Sistema da de Saúde (ACSS), João Paulo Cruz.


Estes responsáveis ouviram as preocupações dos farmacêuticos hospitalares portugueses relativamente aos procedimentos para compra centralizada de medicamentos, que implica uma burocracia adicional e complexa, que dificulta a gestão de stocks e os processos de aprovisionamento da farmácia. Em discussão estiveram também temas como o acesso e avaliação da inovação terapêutica, o financiamento das atividades desenvolvidas pelos Serviços Farmacêuticos ou o contributo destes profissionais através da otimização e validação da terapêutica ou na evidência que produzem para suporte à decisão.
 
 
No encerramento do evento, o Conselho de Especialidade homenageou a farmacêutica Maria Luz Clara, ex-diretora dos Serviços Farmacêuticos do Hospital de Santa Maria, atribuindo o seu nome à edição deste ano do "Prémio Pegadas - deixe a sua marca no percurso da Farmácia Hospitalar”, que distingue o melhor projeto DIFH - Divulgar Iniciativas em Farmácia Hospitalar desenvolvido por farmacêuticos portugueses.

Dos 11 projetos submetidos este ano à apreciação dos GI, 9 foram apresentados durante estas X Jornadas, juntando-se a outras 10 DIFH aprovadas na primeira edição, num total de 21 DIFH sobre matérias de elevado interesse na prática diária em Farmácia Hospitalar, que se encontram acessíveis através do microsite desenvolvido pelo CCEFH-OF.

O Prémio, no valor de 1.500 euros, foi atribuído ao projeto apresentado pelos Serviços Farmacêuticos do Centro Hospitalar da Cova da Beira (CHCB), na Covilhã, para registo de intervenções farmacêuticas em Farmácia Hospitalar, garantindo a sua rastreabilidade e uma avaliação qualitativa e quantitativa das atividades do farmacêutico hospitalar nas diferentes áreas de atuação.



PRÉMIO PEGADAS PARA PROJETO DOS SERVIÇOS FARMACÊUTICOS DO CHCB
Conheça o projeto vencedor do "Prémio Pegadas - deixe a sua marca no percurso da Farmácia Hospitalar". AQUI

 RELACIONADOS    


GALERIA DE FOTOS
Veja aqui toda a reportagem fotográfica das X Jornadas de Farmácia Hospitalar. AQUI.



GALERIA DE VÍDEOS
Assista aos vídeos produzidos no âmbito das X Jornadas de Farmácia Hospitalar. AQUI.



APRESENTAÇÕES
Consulte as apresentações dos oradores das X Jornadas de Farmácia Hospitalar. AQUI.