Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso.

Compreendi

Notícias

Farmacêuticos lusófonos debateram integração nos sistemas de saúde

11 Outubro 2018
Farmacêuticos lusófonos debateram integração nos sistemas de saúde
A décima terceira edição do Congresso Mundial de Farmacêuticos de Língua Portuguesa juntou na capital cabo-verdiana mais de 200 farmacêuticos lusófonos, naquela que foi uma das edições mais concorridas do evento organizado pela Associação de Farmacêuticos dos Países de Língua Portuguesa (AFPLP), que comemorou o seu 25.º aniversario. Cabo Verde, a par de Angola, são os únicos países africanos lusófonos em que a profissão farmacêutica é regulada por um Ordem profissional, tal como acontece em Portugal. O desenvolvimento da profissão é, no entanto, uma realidade transversal aos restantes países da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), patente também nos trabalhos apresentados neste Congresso, sob a forma de póster, por farmacêuticos de diferentes nacionalidades e áreas profissionais.

O primeiro dia do evento foi preenchido com sessões da Academia AFPLP, composta por três workshops sobre indicação farmacêutica, resultados em saúde e sobre a atividade dos laboratórios clínicos. Decorreu igualmente neste dia a 18.ª Assembleia Geral da associação, durante a qual foi aprovada uma revisão da resolução sobre a intervenção dos farmacêuticos no combate às resistências antimicrobianas.

O tema foi também abordado pelo Presidente da República de Cabo Verde, José Carlos Fonseca, durante a sessão de abertura do Congresso, considerando-o como "um dos mais sérios desafios” atuais, que "tem acarretado muito sofrimento e consumido recursos muito elevados”.

"Estou certo de que serão propostos caminhos no sentido de se concretizar as propostas da Organização Mundial de Saúde (OMS) para se fazer face à resistência antimicrobiana, especialmente no que se refere à racionalidade dos sistemas de saúde, nomeadamente no que toca ao acesso aos medicamentos essenciais, ao reforço da vigilância laboratorial, à prevenção e controlo de infeções, bem como à utilização adequada dos medicamentos na pecuária”, disse o chefe de Estado de Cabo Verde, citado pela Lusa.

Na sua primeira intervenção formal após ter assumido a presidência rotativa da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), José Carlos Fonseca lembrou que "parcelas significativas de populações não têm acesso a medicamentos essenciais e outras atividades relacionadas com os cuidados básicos de saúde”, o que constitui, no seu entender, "um quadro de exclusão social”.

"Infelizmente, esta situação conduz a práticas muito nocivas, como a automedicação e o comércio ilegal e perigoso de medicamentos”, uma realidade que, em sua opinião, "apenas pode ser alterada definitivamente no âmbito de mudanças essenciais de todo o sistema ou mesmo de políticas sociais mais abrangentes”.

Também o ministro da Saúde e da Segurança Social de Cabo Verde, Arlindo do Rosário, esteve presente na sessão de abertura do Congresso da AFPLP, tendo referido os avanços na integração dos farmacêuticos no sistema de saúde e o papel destes profissionais na melhoria dos cuidados de saúde que são prestados à população.

A presidente da AFPLP e bastonária da Ordem dos Farmacêuticos (OF) cabo-verdianos, Maria da Luz Leite, lembrou, por sua vez, a ação dos farmacêuticos para evitar as "consequências gravíssimas” da automedicação, os efeitos adversos e o desperdício, defendendo "um maior investimento do Estado no reforço das competências dos farmacêuticos”.

Ainda durante a abertura do Congresso, houve lugar a uma homenagem, a título póstumo, à farmacêutica cabo-verdiana Judite Lima, ex-presidente da AFPLP, tendo depois sido proferida a conferencia sobre o 25.º aniversário da AFPLP, a cargo do bastonário da OF de Portugal entre 1996 e 2001, e um dos impulsionadores da criação da associação, João Silveira.

O evento prosseguiu com a realização de vários painéis de debate sobre temas relevantes para a atividade dos farmacêuticos das diferentes áreas profissionais, com especial destaque para os desafios da inovação e a colaboração entre médicos e farmacêuticos nos diferentes países

A conferencia de encerramento foi proferida pelo presidente do Conselho Nacional para a Cooperação da OF de Portugal, Helder Mota Filipe, numa intervenção intitulada "O Farmacêutico e o Futuro no Mundo”.

À margem do Congresso, a comitiva portuguesa que se deslocou a Cabo Verde visitou também os hospitais Dr. Agostinho Neto e Dr. Baptista de Sousa e às farmácias Mindelo, Jovem e Avenida, procurando assim uma visão mais abrangente sobre organização e funcionamento dos serviços de saúde no país e da cobertura assistencial farmacêutica às populações.

Clique para assistir às reportagens emitidas pela Rádio e Televisão de Cabo Verde.

RTC - A regulação do sector da Saúde contará nos próximos tempos com entidade reguladora independente da Saúde
RTC - Começa, hoje, na cidade da Praia, o XIIIº Congresso Mundial de Farmacêuticos de Língua Portuguesa
TCV - 3º Congresso Farmacêuticos: Presidente da República preside cerimónia de abertura e enaltece o papel dos farmacêuticos no sistema de saúde
TCV - Farmacêuticos dos países da língua portuguesa reunidos na Praia no seu 13º congresso