{ordemfarma/noticias/detalhes/head}
Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso.

Compreendi

Notícias

Farmacêuticos, médicos e dentistas europeus saúdam proposta de orçamento plurianual

17 Maio 2018
Farmacêuticos, médicos e dentistas europeus saúdam proposta de orçamento plurianual
O Grupo Farmacêutico da União Europeia (PGEU), o Comité Permanente dos Médicos Europeus (CPME) e o Conselho Europeu de Dentistas (CED) emitiram uma declaração conjunta sobre a proposta de orçamento plurianual para a União Europeia (UE) para o período 2021-2017, apresentada pela Comissão Europeia, considerando “um primeiro passo positivo que reconhece a saúde como um investimento nas pessoas”.
A proposta não prevê um instrumento financeiro específico para as iniciativas da UE na área da saúde, mas permite alocar a saúde ao Fundo Social Europeu, numa abordagem que deve garantir os recursos financeiros necessários, sem colocar em competição as políticas de saúde e outras políticas sociais.

Para os representantes dos profissionais de saúde, a Comissão Europeia terá de clarificar a forma como esta abordagem será traduzida em termos de governação, e se uma Direção-Geral dedicada à saúde continuará a ter a responsabilidade total pela implementação das políticas de saúde da UE.

"A abordagem da Comissão Europeia para definir a saúde como parte das políticas sociais é certamente mais adequada do que optar por uma abordagem puramente económica”, comentou o presidente da CPME, Jacques de Haller.

"O próximo orçamento da UE irá moldar as prioridades políticas após o ano de 2020. Resta esclarecer como é que este orçamento se traduzirá nas políticas e governação em saúde para a próxima década”, acrescentou Marco Landi, presidente do CED.

Jesús Aguilar Santamaría, presidente do PGEU, defendeu, por sua vez, que "as futuras prioridades políticas da UE devem refletir a sua responsabilidade na implementação dos objetivos de desenvolvimento sustentável na saúde pública, nos sistemas de saúde e nos problemas de saúde relacionados com o ambiente, e devem apoiar os Estados membro na eliminação das crescentes desigualdades na saúde”.