Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso.

Compreendi

Notícias

Infarmed divulga relatório sobre mercado do medicamentos em ambulatório

28 Fevereiro 2018
Infarmed divulga relatório sobre mercado do medicamentos em ambulatório
O Infarmed publicou o Relatório de Monitorização do Mercado Ambulatório referente ao ano de 2017. A despesa do Serviço Nacional de Saúde (SNS) com medicamentos cresceu 2% face ao ano anterior, para um total de 1.213,5 milhões de euros. Os encargos dos utentes também cresceram 0,3%, para quase 700 milhões de euros. Os dados da autoridade reguladora revelam ainda que os portugueses adquiriram mais 157 milhões de embalagens de medicamentos nas farmácias, mais 1,4 milhões do que em 2016, o que corresponde ao maior volume dos últimos cinco anos.

O Infarmed justifica este crescimento com a entrada no mercado de novas moléculas inovadoras, que melhoraram o acesso aos medicamentos por parte dos cidadãos portugueses.

O valor do mercado de medicamentos nas farmácias – SNS e utentes – esteve perto dos dois mil milhões de euros, um aumento de 26 milhões de euros face ao período homólogo.

Entre as classes terapêuticas com maior aumento na despesa estão os anticoagulantes, cujos encargos ascendem a 21 milhões de euros (aumentaram 23% em 2017). Os fármacos apixabano e rivaroxabano lideram o crescimento da despesa. Só no conjunto destas duas substâncias registou-se um crescimento de 18,5 milhões de euros, num total de 113 milhões de euros de encargos com anticoagulantes, apenas superados pelos antidiabéticos, a classe terapêutica com maior peso nos encargos do Estado e doentes.

O preço médio por embalagem também registou um crescimento de 0,5%, sendo agora de 12,16 euros: menor nos medicamentos genéricos, de 7,19 euros; maior nos medicamentos de marca, de 15,70 euros.

A quota de mercado dos medicamentos genéricos em 2017 foi de 47,5%, com um crescimento de 0,2% face a 2016.

O relatório dedica ainda particular atenção à utilização de antibióticos em ambulatório.

Clique aqui para consultar o Relatório de Monitorização do Consumo de Medicmentos referente a dezembro de 2017.