Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso.

Compreendi

Notícias

Morreu Manuela Luz Clara

26 Junho 2018
Morreu Manuela Luz Clara
Maria Manuela Soares Luz Clara, ex-diretora dos Serviços Farmacêuticos do Hospital de Santa Maria, morreu este fim-de-semana, em Lisboa, aos 89 anos. O corpo encontra-se em câmara ardente na Igreja do Sagrado Coração de Jesus, em Lisboa, com a missa de corpo presente agendada para as 15 horas de hoje. A Ordem dos Farmacêuticos (OF) manifesta profundo pesar pelo desaparecimento de um dos seus mais ilustres membros e endereça a toda a família e amigos as mais sentidas condolências.

Maria Manuela Luz Clara foi uma das mais notáveis farmacêuticas do nosso tempo. A par de figuras como Aluísio Marques Leal ou Carlos Silveira, assumiu papel determinante na reorganização e modernização da Farmácia Hospitalar portuguesa, na década de 60.

Natural do Montijo, no concelho de Setúbal, licenciou-se em Farmácia, pela Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto, decorria o ano de 1952. Logo que terminado o curso, iniciou funções na Farmácia Moderna, na sua terra natal, onde assumiu a direção técnica.

Ingressou depois no Hospital de Santa Maria, onde esteve cerca de 20 anos, até 1993, assumindo o desígnio da integração do farmacêutico na equipa hospitalar, em departamentos de Medicina Interna. Durante este período foi grande impulsionadora da atividade clínica dos farmacêuticos hospitalares, que é hoje uma realidade na esmagadora maioria dos hospitais do país.

Esteve também ligada ao Ensino Farmacêutico, como professora auxiliar da Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa (FFUL), onde foi responsável pela unidade curricular de Farmácia Hospitalar durante mais de 10 anos, e membro do grupo coordenador do primeiro mestrado em Farmácia Hospitalar. Lecionou também Farmacologia na Escola Técnica de Enfermagem Francisco Gentil e representou a OF no Programa de Formação Contínua para Farmacêuticos de Oficina na área de Farmácia Clínica.

Na década de 90 esteve profundamente envolvida na criação da Associação Portuguesa de Farmacêuticos Hospitalares (APFH), integrando a Comissão Instaladora e assumindo a presidência da direção no primeiro mandato, durante o qual se organizaram os primeiros Cursos APFH, no caso sobre "Meios de Contrastes Radiológicos”, com sessões em Coimbra, Porto e Lisboa, e do primeiro Conselho Científico, já no segundo mandato. É também uma das sócias fundadoras da Sociedade Europeia de Farmácia Clínica, criada em 1979.

Em 1989, recebeu das mãos do bastonário Alfredo Albuquerque a Medalha de Honra da OF, pela sua ação extraordinária e reconhecido mérito na defesa e prestígio da profissão farmacêutica, contribuindo de modo extraordinário para a valorização da atividade farmacêutica no seio da sociedade e do sistema de saúde.

No início deste ano, o Conselho do Colégio de Especialidade de Farmácia Hospitalar da OF prestou também a sua homenagem à colega farmacêutica especialista, atribuindo o seu nome à edição de 2018 do Prémio Pegadas, como forma de reconhecimento da importância e do legado profissional de Manuela Luz Clara, e distinguindo o seu relevante contributo para a afirmação da Farmácia Hospitalar no nosso país, bem como para o prestígio dos farmacêuticos hospitalares portugueses, hoje reconhecidos como pilar essencial na prestação de cuidados de saúde em ambiente hospitalar.

A OF destaca a vasta contribuição de Manuela Luz Clara para o desenvolvimento da profissão farmacêutica, em especial na área hospitalar, e agradece a elevada dedicação e empenho que sempre evidenciou quer no exercício das suas funções, quer nos trabalhos das diferentes organizações e estruturas profissionais em que se envolveu.