{ordemfarma/noticias/detalhes/head}
Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso.

Compreendi

Notícias

OMS divulga lista de testes de diagnósticos essenciais

14 Junho 2018
A Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou uma lista de 113 testes para deteção e diagnóstico de condições comuns e doenças prioritárias, entre as quais o VIH, VHB, VHC, HPV, tuberculose, malária e sífilis. Semelhante à Lista de Medicamentos Essenciais da OMS, que publicou há 40 anos, a Lista de Diagnósticos Essenciais destina-se a servir como referência para os países atualizarem ou desenvolverem a sua própria lista de diagnósticos essenciais.

O catálogo concentra-se em testes de diagnóstico in vitro, tendo o sangue e urina como amostras, num total de 58 testes para deteção e diagnóstico de uma ampla gama de condições comuns e 55 testes para a deteção, diagnóstico e monitorização de doenças "prioritárias”.

"Um diagnóstico preciso é o primeiro passo para obter um tratamento eficaz", referiu o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus. "Ninguém deveria sofrer ou morrer por falta de serviços de diagnóstico, ou porque os testes certos não estavam disponíveis", defendeu.

"O nosso objetivo é fornecer uma ferramenta que possa ser útil a todos os países, testar e tratar melhor, mas também usar os fundos de saúde de forma mais eficiente, concentrando-se nos testes verdadeiramente essenciais”, acrescentou Mariângela Simão, diretora-geral adjunta.

Para cada categoria de teste, a Lista de Diagnósticos Essenciais especifica o tipo de teste e uso pretendido, formato e se está apropriado para os cuidados de saúde primários ou para estabelecimentos de saúde com laboratórios. A lista também fornece ligações para diretrizes ou publicações da OMS sobre as respetivas doenças.

A OMS atualizará a Lista de Diagnósticos Essenciais regularmente, sendo expectável a sua expansão nos próximos anos. A OMS lançará nos próximos meses candidaturas para inscrições para adicionar categorias à próxima edição. A lista expandir-se-á significativamente nos próximos anos, incorporando assim áreas como a resistência antimicrobiana, patogéneos emergentes, doenças tropicais negligenciadas e outras doenças não transmissíveis.