{ordemfarma/noticias/detalhes/head}
Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso.

Compreendi

Notícias

PGEU disponibilizou rede de farmácias europeia

16 Março 2020
PGEU disponibilizou rede de farmácias europeia
O Grupo Farmacêutico da União Europeia (PGEU) ofereceu aos Governos nacionais o apoio da rede de farmácias na União Europeia às autoridades de saúde na disseminação de informações aos cidadãos sobre como impedir a propagação do novo coronavírus.
"Os farmacêuticos comunitários europeus estão na linha de frente na luta contra a nova doença provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2 e estão a fazer os possíveis para apoiar seus utentes, incluindo nas áreas atualmente confinadas”, diz o PGEU em comunicado.

Entre as iniciativas desenvolvidas em alguns países, estão as formações profissionais e a distribuição de material informativo. "Os farmacêuticos comunitários devem poder oferecer soluções rápidas, eficazes e seguras relacionadas com um eventual agravamento da escassez de medicamentos e produtos de saúde, através, por exemplo, da produção de manipulados, gel desinfetante ou outros, sempre que apropriado”, refere ainda o comunicado.

O farmacêutico português, Duarte Santos, presidente do PGEU, destaca que "a densa rede de farmácias, próxima da população, está a desempenhar um papel vital no apoio às comunidades locais. Os farmacêuticos comunitários estão a transmitir informações importantes para o público em geral, evitando receios desnecessários e aliviando a pressão sobre o restante do sistema de saúde”.

"Os farmacêuticos são um dos primeiros pontos de contacto entre os doentes e o sistema de saúde e desempenham um papel fundamental na identificação e referenciação de possíveis casos de Covid-19. Como todos os outros prestadores de serviços de saúde de primeira linha, precisam ser protegidos contra o risco acrescido de exposição ao vírus”, disse ainda o presidente do PGEU.

O responsável assegurou não existirem relatos de escassez de medicamentos devido à pandemia provocada pelo novo coronavírus, "mas não podemos excluir possíveis interrupções no fornecimento nas próximas semanas e meses, que podem piorar o problema de escassez que já enfrentamos”, advertiu Duarte Santos.