Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso.

Compreendi

Notícias

Setor do medicamento quer fazer parte da solução para ruturas na Europa

08 Março 2018
Setor do medicamento quer fazer parte da solução para ruturas na Europa
Associações europeias que representam os diferentes agentes do circuito do medicamento juntaram-se para apoiar os esforços das instituições europeias para enfrentar problemas relacionados com ruturas de stock e falhas no abastecimento de medicamentos. As associações propõem “ações colaborativas e unificadas” e apelam à inclusão dos operadores nas iniciativas organizadas pelos governos e autoridades reguladoras.

Os agentes da cadeia de valor do medicamento pretendem consciencializar os Ministérios da Saúde para as colaborações em curso para resolver faltas de medicamentos, e que têm como principal objetivo ajudar a mitigar o impacto destes fenómenos para as populações.

O comunicado é assinado pela AESGP - Associação Europeia da Indústria da Automedicação, EAEPC - Associação Europeia de Distribuidores Paralelos, EAHP - Associação Europeia de Farmacêuticos Hospitalares, EIPG - Grupo Europeu de Farmacêuticos de Indústria, EFPIA - Federação Europeia das Associações da Indústria Farmacêutica, GIRP - Associação Europeia de Distribuidores, Medicines for Europe - Associação de medicamentos genéricos e biossimilares, e PGEU - Grupo Farmacêutico da União Europeia, do qual a Ordem dos Farmacêuticos é membro.

A posição foi também defendida durante o evento organizado pela presidência do Conselho da União Europeia (UE), assumida atualmente pela Bulgária, em Sofia, no dia 6 de março, com o tema "Health as the Real Winner: Presidency conference on options to provide better medicines for all”.

Os parceiros da cadeia de distribuição acreditam que as suas propostas de melhoria, perspetivas e experiências devem ser discutidas e ajudar a uma decisão mais informada. Em 2015, estes operadores criaram um grupo de trabalho informal para analisar a problemática e publicaram um conjunto de recomendações no início de 2017, exigindo maior transparência e disponibilidade de dados sobre faltas de medicamentos e para deteção precoce e avaliação de potenciais ruturas.

Estas iniciativa das associações europeias ligadas ao setor do medicamento fazem parte de um compromisso mais alargado para resolver problemas crescentes com ruturas de medicamentos na União Europeia, com impacto significativo para os doentes, profissionais de saúde, sistemas de saúde, produtores e distribuidores.