{ordemfarma/noticias/detalhes/head}
Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso.

Compreendi

Notícias

Um dia triste para o País e para a profissão

29 Setembro 2017
Um dia triste para o País e para a profissão
O farmacêutico João Almiro, fundador do laboratório farmacêutico português Labesfal e figura destacada no nosso país pela sua ação social junto dos mais desfavorecidos, faleceu no dia 28 de setembro, em Tondela. Tinha 91 anos.
Natural de Canas de Santa Maria, no concelho de Tondela, João Almiro de Melo Meneses Castro formou-se em Farmácia, pela Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra, decorria o ano de 1950. No rés-do-chão da casa de família, fundou a Farmácia Almiro, hoje em Campo de Besteiros.

Estudioso por natureza, dedicou-se à investigação e preparação de medicamentos manipulados, produtos galénicos, especialidades farmacêuticas e de soluções eletrolíticas. Assim nasceu o laboratório farmacêutico Labesfal, que é hoje uma das maiores companhias farmacêuticas nacionais, com elevada projeção internacional.

Foi vereador na Câmara Municipal de Tondela e presidente da Junta de Freguesia de Campo de Besteiros, ao longo de vários mandatos, mas a sua participação cívica não se esgotou na vida política. Durante 25 anos, foi provedor da Santa Casa da Misericórdia do Vale de Besteiros, que ajudou a fundar.

Em 2005 fundou a fundou a Fundação Dr. João Almiro, que se destina a apoiar pessoas carenciadas e em situações de risco. Nos últimos anos de vida, dedicou especial atenção aos crianças e jovens abandonados e delinquentes, que recebia no lar "Convívio Jovem” e na "Casa das Andorinhas”, ajudando à sua recuperação e reintegração na sociedade.

No virar do século foi distinguido pelo Presidente da República, Jorge Sampaio, com o grau de Grande-Oficial da Ordem de Mérito e, em 2011, recebeu a Medalha de Honra da Ordem dos Farmacêuticos, no decurso da cerimónia comemorativa do Dia do Farmacêutico. 

"Era um ser humano excecional e raro. Mesmo os melhores têm dificuldade de se entregar aos outros como ele fez”, recorda a bastonária da OF. "Foi um farmacêutico que acrescentou valor, um empreendedor técnico-científico muito envolvido em todo o circuito do medicamento, mas também um cidadão que se entregou aos outros e nos deixa um património de amor. Nunca o esqueceremos”, assegura a dirigente da OF.

"O país perdeu um homem único”, disse também o presidente da Associação Nacional das Farmácias, em reação à morte do farmacêutico, lembrando a inspiração para o desenvolvimento de programas e iniciativas de responsabilidade social da associação.

A Câmara Tondela decretou um dia de luto municipal pela sua morte. O presidente, João António Jesus, destacou o seu papel no concelho. "A Labesfal é o que é hoje devido à sua visão empreendedora e ao seu sentido apurado, enquanto farmacêutico, para a investigação e para o desenvolvimento desse projeto. Por outro lado, veio a notabilizar-se no domínio da intervenção social, no seu sentido humanitário, acolhendo aqueles que a sociedade desprotegia, dando-lhes conforto e carinho, tratando-os como de fossem seus filhos biológicos", sublinhou o autarca.

A Ordem dos Farmacêuticos manifesta o seu profundo pesar pela morte deste ilustre farmacêutico, exemplo de vida para tantos colegas e para os portugueses em geral, e expressa as mais sentidas condolências à família, amigos e todos os que tiveram a oportunidade de conviver e receber os sues ensinamentos e ajuda.

Recorde a reportagem "Até Voares”, da autoria da jornalista Ana Leal, e emitida pela TVI em junho de 2015, sobre o trabalho e a ação social de João Almiro, um trabalho que foi distinguido como o Prémio de Jornalismo "Direitos Humanos & Investigação da UNESCO”.