{ordemfarma/noticias/detalhes/head}
Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso.

Compreendi

Notícias

Universidades públicas com 690 vagas para futuros farmacêuticos

18 Julho 2018
Universidades públicas com 690 vagas para futuros farmacêuticos
Tem hoje início a primeira fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior público. Nas universidades públicas que lecionam o Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas (MICF) – Universidades dos Açores, do Algarve, da Beira Interior, de Coimbra, de Lisboa e do Porto – são disponibilizadas um total de 690 vagas para futuros farmacêuticos, menos 18 lugares do que no ano passado (12 na FFUP e 11 na FFUL, às quais acrescem 5 novas vagas na UBI).

O período para apresentação de candidaturas a esta primeira fase termina a 7 de agosto e os resultados serão divulgados a 10 de setembro, antes da abertura das 2.ª e 3.ª fases de candidaturas.

De acordo com a informação disponibilizada pela Direção-Geral do Ensino Superior, as instituições de ensino superior públicas disponibilizam 50.852 vagas para ingresso nos seus ciclos de estudo: 28.138 (55,3%) no ensino universitário e 22.714 (44,7%) no ensino politécnico.

O despacho do ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior que fixa o número de vagas para o próximo ano letivo determina uma redução do número de vagas nas instituições localizadas em Lisboa e Porto, e um aumento dos lugares disponibilizados fora destas duas regiões.

A transposição destas orientações para as vagas disponibilizadas no âmbito do MICF refletem-se numa ligeira diminuição do número de vagas disponibilizadas nas Faculdades de Farmácia das Universidades de Lisboa (FFUL) e Porto (FFUP) e um ligeiro crescimento no número de vagas na Universidade da Beira Interior (UBI).

Em Lisboa, existem 209 vagas para o MICF da FFUL, menos 11 do que no ano passado, sendo que a nota do último colocado pelo contingente geral, na 1.ª fase de 2017 foi de 133,9.

No Porto, as 175 vagas disponibilizadas este ano na FFUP correspondem a menos 12 vagas do que no ano anterior, em que a nota do último colocado foi de 155,8.

A Faculdade de Ciências da Saúde da UBI foi a única instituição de ensino superior público a registar um aumento do número de vagas para o MICF, sendo este ano disponibilizadas 60 vagas, mais 5 do que no ano anterior. Em 2017, a nota do último colocado nesta faculdade foi de 145,7.

Deste modo, a Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra (FFUC) e a Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade do Algarve são as únicas instituições públicas que mantém o mesmo número de vagas de acesso ao MICF.

Em Coimbra, existem 186 vagas nesta primeira fase de candidaturas, o mesmo número registado em 2017, quando a nota do último colocado na Faculdade de Farmácia foi de de 146,3.

Também no Algarve, o número de vagas mantém-se inalterado (45) em relação ao ano passado, em que a nota do último colocado pelo contingente geral na 1.ª fase foi de 133,9.

Nota ainda para a Universidade dos Açores, onde é lecionado o Ciclo Preparatório (1.º e 2.º ano) do MICF. O número de vagas para este curso na Faculdade de Ciências Agrárias e do Ambiente, situada no pólo de Angra do Heroísmo da Universidade dos Açores, ficou mantendo-se as 15 vagas que foram também disponibilizadas no ano passado e a nota do último colocado em 2017 foi de 119,8.

A página eletrónica da DGES é atualizada diariamente, com a evolução do número de novas candidaturas submetidas.