Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso.

Compreendi

Notícias

O primeiro congresso dos farmacêuticos em Moçambique

05 Novembro 2018
O primeiro congresso dos farmacêuticos em Moçambique
Pela primeira vez, os farmacêuticos moçambicanos estiveram reunidos em congresso para debater o estado atual da profissão e os principais desafios do país em matérias de cuidados de saúde, assistência farmacêutica e medicamentosa. O 1.º Congresso dos Farmacêuticos de Moçambique, organizado pela Associação dos Farmacêuticos de Moçambique (Afarmo), foi uma oportunidade para atualização de conhecimentos e desenvolvimento profissional, mas, acima de tudo, um primeiro passo para afirmação de um grupo profissional essencial para o país.

A Afarmo juntou pela primeira vez em congresso, no dia 2 de novembro, a classe farmacêutica moçambicana, num evento em que foi evidente a crescente importância destes profissionais de saúde para o sistema de saúde moçambicano.

"Farmácia e Farmacêuticos. Unidos pelas pessoas” foi o mote para um dia intenso de trabalhos em que foram focados os temas das Boas Páticas de Farmácia Comunitária e o impacto da nova legislação na área do medicamento. O problema da contrafação esteve também presente, de forma transversal, em quase todos os painéis e sessões de debate e reveste-se de particular atualidade no país, que se depara com frequentes ruturas de medicamentos essenciais nas farmácias estatais, o que condiciona as terapêuticas dos doentes sem meios para recorrer a farmácias privadas.

O presidente da Afarmo, Lucien Pierre, admitiu preocupações com desvios de medicamentos do serviço nacional de saúde para o mercado paralelo, apelando a medidas mais apertadas para travar o fenómeno. 

Participando num painel com o presidente da Afarmo, a bastonária da Ordem dos Farmacêuticos (OF) de Portugal, Ana Paula Martins, falou sobre alguns desafios da regulamentação do setor, e muito especialmente da atividade farmacêutica, lembrando a colaboração da OF na criação das Ordens de Angola e Cabo Verde. 

A História da Farmácia em Moçambique e o associativismo na área farmacêutica foram outros aspetos focados nesta sessão, em que foi valorizada a relação dos farmacêuticos com outros profissionais de saúde e a colaboração em equipas multidisciplinares.

O evento contou também com a participação da ministra da Saúde de Moçambique, Nazira Abdula, e do vice-ministro da Saúde de Moçambique, Leopoldo Costa, ficando ainda marcado pela homenagem prestada ao ex-ministro da Saúde e ex-Reitor do ISCTEM, Paulo Ivo Garrido, Medalha de Honra da OF, pelo seu contributo para a criação da primeira licenciatura em Ciências Farmacêuticas no país, no Instituto Superior de Ciências e Tecnologias de Moçambique (ISCTEM), em 1997.