Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso. Saiba mais

Compreendi
Conselho Nacional para a Cooperação
O Conselho Nacional para a Cooperação apoia a Direção Nacional da Ordem dos Farmacêuticos na definição de políticas para a área da cooperação com os países de língua portuguesa, no estabelecimento de linhas de orientação estratégica, visando uma cada vez maior e mais profícua promoção do sector farmacêutico como pilar da Saúde nos países lusófonos.

O Conselho Nacional para a Cooperação tem como objetivos incentivar o desenvolvimento e afirmação das organizações profissionais de farmacêuticos nos países de língua oficial portuguesa.

Objetivos:
- Formativo, da estruturação do ensino farmacêutico pré e pós-graduado; 
- Profissional, da definição dos atos próprios da profissão e do desenvolvimento das áreas de exercício profissional; 
- Deontológico, da promoção do intercâmbio de boas práticas e códigos de conduta; 
- Científico, da aproximação das instituições de investigação e investigadores da área das ciências farmacêuticas; 
- Regulamentar, do desenho dos quadros legislativo e normativo nas áreas do medicamento e da farmácia.

A intensa e frutuosa colaboração que a Ordem dos Farmacêuticos (OF) tem mantido junto dos países de língua Portuguesa, deverá aprofundar-se sobretudo no estreitamento dos laços com as já formadas Ordens dos Farmacêuticos de Angola e de Cabo Verde. O Conselho Nacional para a Cooperação continuará a pugnar pela regulação da profissão nos restantes países de língua portuguesa, na sua melhoria contínua, e, onde possível, pela elevação das associações de farmacêuticos a Ordens profissionais, como é o caso particular de Moçambique. A cooperação institucional com os países da lusofonia terá como objetivo fortalecer e robustecer os sistemas de saúde dos países parceiros, através de intervenções específicas, mensuráveis e estratégicas.

O apoio dado pela OF aos países africanos de língua portuguesa, no organização de formação pré-graduada e pós-graduada, tem sido crucial para o desenvolvimento da assistência farmacêutica naqueles países e para a capacitação dos profissionais que exercem nas áreas hospitalar e de regulamentação do medicamento. Serão reavaliados os protocolos existentes com as entidades destes países, para melhor se poder adequar a prossecução das atividades de cooperação às reais necessidades dos colegas africanos, fortalecendo a cooperação com estes países e a intervenção farmacêutica fundamental para a proteção da saúde pública.

A Direção Nacional da OF, por via do seu Conselho Nacional para a Cooperação, mantém também uma forte presença e estreita colaboração com a Direção da Associação de Farmacêuticos dos Países de Língua Portuguesa. Considerando a Presidência Portuguesa no biénio 2019-2021, alinham-se de forma perfeita as agendas de cooperação de ambas as instituições, apoiando os desenvolvimentos e projetando os seus resultados. Neste âmbito, serão apoiadas as atividades desta organização e partilhado o esforço de todos os membros em ver melhoradas as condições de exercício profissional nos países de língua portuguesa, nomeadamente através da adoção de resoluções de potencial estratégico para o setor farmacêutico.

in Plano de Atividades e Orçamento da Ordem dos Farmacêuticos para 2020 (págs. 24-25).